ESPIRITUALIDADE | Jesus manso e humilde de Coração

Manso e humilde: é assim que Jesus se define. Faz uso desses dois adjetivos através dos quais os caracterizam.

Imagem


Manso é traduzido por mansidão, bondade, delicadeza ao tratar as pessoas; não violento, mas alguém que com as palavras e com o exemplo de vida nos ensina o acolhimento, o perdão e a grande ternura. Humilde: vemos aqui Jesus que como homem revela-se sua profunda humildade, ou seja, não se coloca acima dos outros; não comete prepotência ou afronta, mas ao contrário, faz-se servo de todos. Não hesita em colocar sua vida e dedicar todo seu tempo a favor dos irmãos, sobretudo dos pequenos, dos pobres, dos últimos (Lc 4,18).

Escutando o que Ele diz, olhando sua face, renasce novamente a esperança nos corações mais sofridos da sociedade. Publicanos e pecadores consegue ver Nele a nova face de Deus Pai e seu amor misericordioso. Diante de Deus que é o Senhor do céu e da terra, também Ele como homem sente-se “pequeno e humilde” entre os “pequenos da terra” alegre em partilhar a sua condição, alegre ao ver que Deus, que desde sempre teve predileção pelos humildes, agora se revela a este “pequeno” que é Ele.

Invocar Jesus “manso e humilde” de coração significa seguir seus ensinamentos e saber que este deve ser o modo de manifestarmos nosso amor a Deus e também o modo de amarmos os homens nossos irmãos.

Nesse Coração depositamos nossa confiança. A Ele queremos devotar a nossa vida e numa atitude de discípulos aprendermos a maneira de vivermos o grande mandamento do amor. A nossa devoção ao Coração de Jesus requer de nossa parte uma atitude decidida de fazer caminho com Ele, de nos colocarmos em sua escola e numa atitude de generosidade dispor o coração e a vontade para imitá-lo em seus gestos, palavras e atitudes. Sendo assim podemos caracterizar o discipulado como sendo exigência de imitação.

 

Que o Sagrado Coração de Jesus confirme nosso desejo de amá-lo sempre mais e torná-lo amado e conhecido pelo nosso testemunho.

Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em Vós!

Ir. Maria Irene do Nascimento, ASCJ